brbid

Leilão Judicial na BRbid, como funciona?

Você sabe como funciona o Leilão Judicial? A BRbid está realizando esse tipo de leilão e para você não ficar com nenhuma dúvida, vamos te explicar como tudo acontece.

Assim como os leilões tradicionais, já conhecidos por vocês, o maior benefício da compra são os valores baixos. Você pode chegar a comprar um bem 50% mais barato do que no mercado tradicional. Para quem quer investir, é um ótimo negócio! Vale ressaltar que é um negócio 100% garantido, porque, na pior das hipóteses, seu dinheiro é devolvido com correção monetária. Leia o post até o final para saber como esse procedimento funciona.

Dinheiro na mão é muito importante para quem pensa em ser um arrematante do Leilão Judicial.

Quando eu sei de que se trata de um Leilão Judicial?

Será judicial, quando autorizado ou determinado por um juízo, dentro de um processo judicial, devendo cumprir os procedimentos do Código de Processo Civil.

Existem diversos motivos que determinam um leilão judicial. Os leilões judiciais podem ser de qualquer bem, desde um carro, um produto, uma ação ou um imóvel, que são os mais conhecidos do público em geral. Mas não se engane, você pode encontrar um leilão judicial de algo que você nunca imaginou. Por isso, vale ficar atento ao site para ver o que tem sido disponibilizado para lances.

No caso dos imóveis, que geralmente são os leilões que mais geram interesse, as razões para irem a leilão podem variar em: a venda de um bem para pagar uma dívida, a venda judicial de um bem para extinguir a propriedade em condomínio (no caso de existirem diversos proprietários para um único imóvel), a venda de um bem que consta em processo de inventário para cobrir as despesas do processo, ou de um processo de falência, entre outras situações que o imóvel precisa ser vendido por determinação judicial.

Como é a realização do Leilão Judicial?

O leiloeiro faz a oferta pública do imóvel por edital, no qual determina data e horário da primeira e segunda praça e valores de lance mínimo, para a primeira praça o valor da avaliação e, para a segunda praça, caso não haja licitante na primeira, com valor de lance mínimo correspondente à 50% sobre o valor da avaliação

O juízo poderá estipular outro valor mínimo, desde que não seja menor do que 50%, para não ser considerado preço vil e o leilão ser anulado.

Sobre o edital do Leilão Judicial

O prazo do edital varia de acordo com a lei que rege o objeto do processo judicial, por exemplo, se for processo trabalhista, o mínimo para publicação é de 8 dias, se for execução fiscal a lei prevê a publicação em 20 a 30 dias antes do leilão, então o ideal é analisar o processo para saber se o leiloeiro cumpriu com o prazo correto. Normalmente o leiloeiro pública o edital com pelo menos 30 dias antes da primeira praça.

Buscando a ajuda de um advogado especializado na área, o leilão judicial se torna mais seguro e os riscos mais brandos. Vale entender todo o esquema. Por exemplo, no caso dos imóveis, atualmente, ficou muito mais ágil o processo de desocupação, pois antes, era necessário o arrematante fazer uma ação nova, inicial, contra o ocupante. Agora não é mais necessário fazer uma ação nova, pois no próprio processo que originou o leilão, o juízo já emite a ordem de desocupação.

Por isso, é muito importante o acompanhamento jurídico, até mesmo porque muitas ações necessárias para o cumprimento e o recebimento do bem deverão ser feitas por um advogado.

Antigamente, poucas pessoas tinham conhecimento dessa modalidade de negócio, pois a informação era muito mais restrita e de difícil acesso. Hoje em dia, qualquer pessoa tem condição de participar, que seja maior de 18 anos.

No infográfico abaixo separamos algumas informações muito importantes sobre o Leilão Judicial. Veja:

 

 

leilão judicial

Quer saber mais sobre o Leilão Judicial? Entre em contato conosco! 😉 Compartilhe essa ideia com seus amigos!!!

Um ótimo negócio pra você.

 

Por: brbid